Mudanças no Clima

Enfrentar globalmente a mudança do clima é uma questão crucial para a humanidade. Entendemos que os sistemas de energia são desafiados pelo tema e estamos empenhados em contribuir para o Acordo de Paris, documento aprovado na Conferência do Clima (2015), que visa limitar o aumento da temperatura global, ao mesmo tempo em que fornecemos à sociedade o acesso e a inclusão à energia, tão necessários.

Essa visão está prevista em nosso planejamento estratégico, guiando nossa preparação para as mudanças que ocorrerão no futuro da indústria de energia, principalmente em relação à redução de emissões de dióxido de carbono (CO2). Nos próximos anos vamos nos adequar às novas exigências com investimentos em novas e mais eficientes formas de gerar energia.

Estamos nos preparando para um futuro baseado em uma economia de baixo carbono


Captura de Tela 2018-04-20 aI__s 16.21.54.png


Nessa direção, mantemos equipes para gerenciar emissões e mudança do clima há mais de 15 anos, com resultados expressivos em termos de emissões evitadas. Fomos pioneiros em publicar nossos inventários de emissões desde 2002 e somos fundadores do programa brasileiro GHG Protocol, considerado o método mais usado mundialmente pelas empresas e governos para a realização de inventários de gases de efeito estufa (GEE). Também implantamos processos e temos projetos em andamento para garantir que a mudança do clima seja sistematicamente considerada na tomada de decisão de curto, médio e longo prazos.

Monitoramento de emissões

Nosso inventário de emissões é compilado por meio do Sistema de Gestão de Emissões Atmosféricas (Sigea®), que processa informações mensais de mais de 17 mil fontes. Os resultados são submetidos periodicamente à verificação por terceira parte, segundo a norma ISO 14064, e constam do registro público do GHG Protocol.


Em 2016 e 2017, nossas emissões totais de gases de efeito estufa se mantiveram estáveis. Além de investir na melhoria contínua das nossas operações, buscamos identificar oportunidades de aplicação de tecnologias inovadoras. Nossa curva de emissões evitadas (entre 2009 e 2017) totaliza 108,3 milhões tCO2e (toneladas de dióxido de carbono equivalente), o que equivale a mais de um ano e meio das emissões totais do sistema.

Principais ações mitigadoras

Nossas principais iniciativas para mitigar emissões estão relacionadas ao melhor aproveitamento de gás e à melhoria da eficiência de termelétricas.

Atualmente o aproveitamento de gás na área de exploração e produção (maior que 95%) é superior à média da Associação Internacional dos Produtores de Petróleo e Gás (IOGP). Em 2017, reinjetamos 2,5 milhões de toneladas de CO2 separado do gás produzido nos nossos campos de pré-sal na Bacia de Santos.

Parcerias para novas soluções

Reconhecemos a necessidade de inovar para atender à demanda de energia com redução de emissões. Temos uma história de investimentos em pesquisa e desenvolvimento em tecnologias de baixa emissão de carbono e colaboração na indústria. Como complemento, nós nos tornamos membro recentemente à Oil and Gas Climate Initiative (OGCI), uma organização formada pelos presidentes das dez principais operadoras mundiais de óleo e gás.

Por meio da OGCI, será investido US$ 1 bilhão em dez anos em empresas promissoras que precisam de capital para alavancar seus projetos, as chamadas startups, e em demonstração de tecnologias para redução de GEE. Nosso compromisso, assim como os outros membros, é investir, nesse período, US$ 10 milhões em ações em quatro grandes áreas: captura, uso e armazenamento de carbono; gás natural; eficiência energética; e transporte.